Escolhas e o canteiro budista

Conta a lenda, que em um mosteiro budista existia um canteiro de areia. Localizado no átrio central, a superfície do canteiro era mantida impecavelmente lisa por um grupo de acólitos. Portando rastilhos de bambu, com cerdas finas como fios de cabelo, estes se sentavam em torno do grande tanque de pedra, atentos a qualquer alteração no nivelamento arenoso.

Seu trabalho era constante, pois além das alterações climáticas, o canteiro sofria diariamente mudanças com um dos exercícios de meditação característico daquele mosteiro e diariamente exercitado pelos discípulos: cruzar lenta e concentradamente, descalços, o quadrado de areia.

Pelo menos uma vez por dia, cada monge fazia este trajeto. Caminhava contrito até a entrada do canteiro com os olhos focados neste, respirava profundamente e depois pé ante pé, com o maior cuidado, realizava a travessia. Chegando ao término de sua jornada, invariavelmente olhava para trás, para as pegadas que marcavam a sua trajetória e com um suspiro de leve desapontamento, voltava as costas para o grande tabuleiro e afastava-se para o interior do mosteiro.

Todos repetiam a prática, ano após ano e década após década.

O objetivo da meditação era avaliar o quanto de poder detinha cada praticante sobre seus atos, palavras e pensamentos, de maneira a que não produzissem um único desdobramento kármico sequer. Este domínio sobre o karma era naturalmente transferido para o caminhar do acólito, permitindo-lhe atravessar o canteiro de areia sem deixar pegadas.

Assim são as nossas escolhas. Cada palavra proferida, pensamento emitido ou ação executada tem um poder imenso na construção do nosso futuro.

Podemos mesmo dizer que nosso destino é construído e modificado diariamente, influenciado pela qualidade das nossas escolhas.

Autor Desconhecido



Compartilhe essa metáfora:
© 2008 Instituto Vencer de Desenvolvimento Humano.
Todos os Direitos Reservados
Av. Mal. Floriano Peixoto 16, cj. 208 - Gonzaga - Santos/SP - (13) 3219-7766